Tartarugas em Cabo Verde

DSC02360.jpg

As tartarugas marinhas são répteis pré-históricos que habitam a Terra há mais de 150 milhões de anos e desempenham um papel vital nos ecossistemas marinhos, mantendo-os saudáveis e em equilíbrio. No entanto, nos últimos 100 anos, as tartarugas marinhas têm enfrentado diferentes ameaças antropogênicas (humanas) que colocam sua sobrevivência em risco. Atualmente, existem 7 espécies de tartarugas marinhas e dependem de habitats costeiros e terrestres para o seu ciclo de vida. 
 
Em Cabo Verde, foram encontradas cinco espécies diferentes de tartarugas marinhas: tartaruga-de-couro, verde, cabeçuda, pente e azeitona. A tartaruga verde (Chelonia mydas), o nosso logotipo, é uma espécie que se distribui pelos oceanos, sendo migratória e exploradora de áreas costeiras rasas. O nome tartaruga verde deve-se à coloração esverdeada de sua gordura corporal. A cabeça é pequena com um único par de escamas pré-orbitárias e mandíbula serrilhada, facilitando a alimentação. Enquanto crias , as tartarugas verdes começam a ser onívoras (comem de tudo um pouco), mas à medida que crescem tornam-se quase exclusivamente herbívoras. Eles atingem a maturidade sexual, geralmente entre 27-50 anos de idade, e as fêmeas voltam à praia onde nasceram para se nidificar. Cada fêmea pode fazer entre 1 e 9 posturas por estação de monta, com cerca de 140 ovos cada. A incubação pode variar entre 45-75 dias e, assim que eclodem, as crias vão para o mar, onde passam grande parte da sua juventude. 
 
Atualmente é uma espécie ameaçada pela IUCN e CITES. As maiores ameaças são as atividades de pesca, captura intencional de adultos e ovos nas áreas de nidificação, poluição e emaranhamento por artes de pesca e poluição de resíduos costeiros. A perda de habitat de reprodução devido ao desenvolvimento urbano e à poluição luminosa também contribuem para o declínio de suas populações.